• -07jan08 033.jpg
  • 044_2.jpg
  • antartica.jpg
  • ary rongel 24 out 2007 108_2.jpg
  • boiarad_013_2.jpg
  • deriva_008_2.jpg
  • dsc01641_2.jpg
  • dsc01737_2.jpg
  • dsc01742_2.jpg
  • dsc03381_2.jpg
  • dsc03434_2.jpg
  • dsc03436_2.jpg
  • dsc03444_2.jpg
  • dsc03454_2.jpg
  • dsc03464_2.jpg
  • dsc03472_2.jpg
  • dsc03473_2.jpg
  • dsc03499_2.jpg
  • dsc03514_2.jpg
  • dsc03519_2.jpg

 

O Grupo de Oceanografia de Altas Latitudes (GOAL) contribui para o entendimento da relação entre o ambiente físico/químico, os microorganismos marinhos, e os predadores de topo da cadeia trófica (mamíferos marinhos) no oceano Austral. Estes componentes eram estudados separadamente no ambiente antártico dentro do Programa Antártico Brasileiro (PROANTAR). Porém, o entendimento dessas relações é crucial para que se possa avaliar o efeito de mudanças ambientais globais sobre cada segmento. Além disso, a dificuldade de acesso ao ambiente marinho no oceano Austral requer um planejamento específico e eficiente para se determinar os possíveis efeitos das mudanças globais sobre aquela área. É necessário inicialmente a compreensão da variabilidade oceânica devido a processos naturais e/ou climáticos, para que se possa, posteriormente, isolar os efeitos devido às mudanças globais. Estes somente podem ser obtidos através de programas plurianuais, de longo prazo, de coleta e análise de dados bióticos e abióticos do meio marinho. Portanto, estudos integrados do ecossistema marinho, visando sua relação com o quadro atual de mudanças globais, são objetivos permanentes do GOAL.

  

APECS

PROANTAR

INCT-Criosfera

 

lálál

PATEX (PATagonian EXperiment) é um projeto multidisciplinar de coleta e análise de dados oceanográficos (físicos, químicos e biológicos) e atmosféricos no Oceano Austral, mais especificamente na região da quebra da plataforma Argentina (Patagônia), onde alta abundância de fitoplâncton marinho ocorre durante a primavera e verão de cada ano, com dominância de cocolitoforídeos, segundo a literatura. Estas florações possuem papel relevante nos processos biogeoquímicos no hemisfério sul, tais como no seqüestro de CO2 atmosférico e na liberação de compostos de enxofre para a atmosfera, os quais interferem na formação de nuvens e no nível de albedo terrestre. No entanto, estes complexos processos ainda não são totalmente compreendidos e, menos ainda, quantificados. Assim, durante os cruzeiros oceanográficos propostos neste trabalho, pretende-se contribuir para a elucidação de alguns destes processos. Outro objetivo, de importância neste projeto, é de mapear do espaço, através de técnicas de modelagem e de sensoriamento remoto, a abundância e distribuição da biomassa e composição de grupos do fitoplâncton marinho, entre outros parâmetros. Análises recentes das imagens de satélites desta área sugerem que as florações estendem-se de setembro a março de cada ano, com alta variabilidade interanual, e em várias ocasiões as águas da plataforma e quebra da plataforma Argentina parecem ser advectadas para a região costeira do sul do Brasil, com prováveis impactos positivos na produção biológica local.

Objetivos:

  • Identificar os fatores ambientais associados com os “blooms” fitoplanctônicos na área de quebra da plataforma continental  Patagônica;
  • Caracterizar as comunidades fitoplanctônicas e as taxas de produção primária;
  • Determinar os fluxos de CO2 na interface ar-mar, as concentrações e razões dos nutrientes principais associados aos “blooms” fitoplanctônicos;
  • Determinar as características bio-ópticas da região

Coordenador: Dr. Carlos Alberto Eiras Garcia (IO/FURG)